domingo, 25 de setembro de 2011

Beleza é Fundamental?





Vinicius de Moraes começou oficialmente a discussão quando lançou seu famoso pedido de perdão às ‘muito feias’, afirmando que ‘beleza é fundamental’. E a discussão perdura até hoje. Nesta semana, por exemplo, um grupo de amigos e eu viajamos nas possibilidades que esse assunto suscita. A divergência de opiniões fez nascer esta crônica: será que a beleza é mesmo fundamental?

Minha experiência pessoal diz que não. Ser uma beldade não me fez falta alguma. A feiúra é que me trouxe muitos benefícios, por sinal. Lembro de um episódio na adolescência, quando as colegas de aula começaram a externar seu interesse pelo sexo masculino. Reuniam-se à hora do recreio para compartilhar seus segredinhos amorosos e tecer  comentários a respeito do jogo de futebol do fim de semana – única atividade significativa para os jovens na vila,  interior do RS. Claro que ‘as bonitas’ não estavam interessadas no jogo, e sim nos jogadores. E nós, ‘as feias’, não dávamos atenção nem a um, nem a outro. Nossos assuntos eram livros, música e televisão, coisa muito estranha para garotas naquela região. Motivo que levou uma professora  atenta a procurar nossas mães – éramos 2 feias assumidas – e sugerir tratamento psicológico, pois nosso comportamento era definitivamente distinto do das jovens de nossa idade. Para espanto da professora, nossas mães se entreolharam e uma disse a outra: não te falei, comadre, que nossas filhas nos dariam muito orgulho? As ‘muito bonitas’ que me perdoem, mas continuam na vila até hoje, acomodadas com seu entretenimento semanal. As ‘feias’ partiram para estudar e realizar sonhos.

Mas minha vida não foi só de estudos. As feias também amam! Ainda na vila, porém não tão precocemente graças à falta de  beleza, tive meu primeiro namoradinho. Acredite quem quiser, mas era justamente um dos  craques do time, e o mais cobiçado pelas meninas. Nunca tive tantas inimigas na vida! Pois pior do que a rejeição em si, para uma bela jovem, é perder o alvo dos seus desejos para uma feia. O segredo da conquista eu desconheço. Mas certamente não foram meus olhos verdes, já que não os possuo. Desconfio de algo, contudo: o tempo que não perdi a frente do espelho reclamando de minha feiúra, e muito menos por razões narcisistas, foi empregado de alguma forma mais inteligente.

A esta altura, sei que surgirá uma boa alma para afirmar que não sou assim tão feia quanto faço parecer nesta crônica. E essa observação vem bem a calhar com meu objetivo: mostrar que beleza física é coisa totalmente relativa. Uns concordariam sem pestanejar com minha feiúra, outros se arriscariam a mencionar alguns traços belos e um só se levantaria para me qualificar como beldade, rara em formosura e musa de seus poemas: meu esposo. Para ele, que me escolheu, não tenho dúvidas de que sou sumamente bela. Portanto,  nessas condições – e somente nessas - beleza é, sim, fundamental!

O espelho é traidor, não devemos confiar integralmente nele. Ou dirá que existem milhares de outras mais belas, provocando em nós crises de isolamento e depressão; ou reforçará em nós a vaidade, fazendo-nos crer numa beleza suprema e absoluta que na verdade não existe. Por que é tão difícil aceitarmos a nós mesmas como únicas e incomparáveis? Por que insistimos em seguir um padrão, tirando aqui, acrescentando ali, fazendo tudo para ficarmos cada  vez mais iguais e portanto mais comuns?! Não compreendo isso, não aceito essa insatisfação feminina. Por ser mais uma vez a divergente, numa sociedade que reverencia traços físicos sobrepondo-os aos de caráter, fico à espera da professora que virá sugerir a mim tratamento psicológico, pois eu é que sou a louca – além de feia, considerando os padrões convencionais.

Meu olhar nessa questão vai além do que sugere a estética. Existe, sim, a beleza que agrada aos olhos e isso é muito bom. Mas ser somente bela é um problema. É preciso existir também um refinamento, uma delicadeza em gestos e palavras. E depois de agradar aos olhos, ainda é preciso agradar a alma com outra forma de beleza: a virtude. Essa vem realçar e dar vida a primeira. Trata-se da conduta inquestionável, baseada em elevados padrões morais, que faz com que traços comuns brilhem numa mulher, tornando-a única e distinta. A harmonia que se percebe nesse conjunto é o que melhor define para mim a verdadeira beleza. E ela está acessível a todas que tenham um mínimo de vaidade para cuidarem do corpo, e uma boa dose de bom senso para substituírem a vulgaridade pelo que é digno e refinado – em palavras, atos e vestuário.

Daí vem minha conclusão: Vinicius de Moraes e as ‘somente belas’ que me perdoem, mas VIRTUDE é fundamental!

Suzy Rhoden
Gravataí, 25 de setembro de 2011





9 comentários:

  1. Que maravilha tua crônica e pra mim também é fundamental o "recheio" e não apenas a "casca"...
    Lindo domingo,beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Suzy o texto foi muito bom, mas só a frase que vc colocou no final Já valeu a Pena.
    Rafael

    ResponderExcluir
  3. Suzy, essa espontaneidade que você deixa fluir, tão bem, nas suas palavras faz com que seus textos fiquem leves e verdadeiros, muito bom te ler! A crônica é maravilhosa, parabéns!

    Ótima semana para você, beijos.

    ResponderExcluir
  4. Mas que belo texto, Suzy! Quanta verdade e quantas diretas ou indiretas para pessoas que idolatram o belo e que padronizam um tipo de beleza. Hoje temos um exército, todas com os mesmos cabelos, a mesma vestimenta, o batom, esmalte e cor de cabelo, botox bem distribuído até não sei onde. Vejo muitas coisas que envergonham à 'classe'. Isso é o que predomina numa sociedade preocupada com padrões estéticos, puramente. Gostaria de ver todo este 'auê' dirigido a coisas mais importantes. O bonito nas pessoas é muito relativo. Prefiro uma pessoa 'interessante'.

    Beleza de crônica.
    Grande beijo.
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  5. Suzy!
    Vc falou tudo e mais um pouco! Que texto brilhante!!! E muito corajoso, por sinal! Vc está de parabéns, e não só por que escreve bem e fala a verdade, mas principalmente por que se mostrou uma pessoa equilibrada, inteligente e dona de uma auto-estima invejável!

    Beleza (a puramente física) é sim relativa! Tanto é verdade que seu conceito muda com o tempo. Há modismo, tendências vendidas pela mídia, por pessoas que se beneficiam por lançar 'padrões' que eram sumariamente taxados de feios no passado. Consegue imaginar as magérrimas de hoje serem consideradas belas no século 19?... E o que dizer dos pintores renascentistas que pintava as mulheres mais 'belas' do planeta com aquelas bocas minúsculas, bochechas rechonchudas e narizes pontudos?

    A beleza muitas vezes pode estar num único detalhe, como um sorriso franco e cativante, por exemplo. Quanto ao resto... Quem vai olhar para o resto?

    Maravilha de crônica, amiga! Que pessoa linda que vc é!!!

    Um beijo meu!

    ResponderExcluir
  6. Bom alvorecer !
    Depois que o bicho(vírus) se instalou no meu blog,me fechei e só hj que estou abrindo com uma postagem linda e emocionante.
    Te convido a ir lá,depois passarei por aqui para fazer meu comentário...Tenha um dia fenomenal e de muita luz...
    Grata pela amizade...Particularmente estava com saudades de viajar nesse universo,junto com vcs...por amar demais(sonhadora)todos.
    Bjs para aquecer teu dia!

    ResponderExcluir
  7. OLá Suzy! Tudo bem?

    Que belo texto! Concordo plenamente. Para mim, a beleza interna é fundamental. Essa sim, é algo imprescindível em uma pessoa.

    O maior problema, é que quem é muito belo por fora, ou almeja isso sem descanso, esquece de cultivar a beleza interior, que seria mais fácil, e muito, mas muito mais rica.

    O espelho que devemos perder tempo é o que nos mostra como realmente somos. Tentando, a cada dia, melhorar nossas virtudes. Como você bem disse.

    Sua frase foi mais sábia do que o sábio Vinícius.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá, parabéns pelo lindo blog, já estou seguindo e aproveito para convidá-la à participar do meu blog. Me add tb no facebook, estou como Bolo Doce Bolo Buffet. Bjs e sucesso!!!

    ResponderExcluir
  9. A boniteza está associada a moda. O que é bonito hoje pode não ser amanhã. Então o bonito é relativo, pois o que um gosta o outro pode não gostar. Quando alicerçamos a boniteza na estética sacrificando a ética observamos que muitos problemas aparecem. Temos sim que basear nossas vidas na ética. A ética é que faz as coisas serem belas. Por mais que a sociedade tente sujir da ética, é neste contexto que ela se faz mais presente. A estética, neste caso, é passageira. Já a ética é eterna. É na ética e não na estética que a virtude tem a sua força.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...