quinta-feira, 19 de junho de 2014

Bagagem

Imagem Google

Tantas vezes me perco na correria dos dias que, confesso, esqueço qual é de fato  meu grande objetivo. Corro tanto, me viro do avesso, me desdobro... pra que mesmo?! Gerar bens, produzir riqueza, fazer patrimônio? Ou trabalho dia após dia para comer, beber e festejar com todo luxo e  pompa que o dinheiro pode proporcionar? Pra me vestir elegantemente e atrair olhares de inveja de outras mulheres, e de cobiça de todos os homens? Para jantar nos mais caros restaurantes e sair deles saciada, mas com a alma vazia? Pra que, afinal?!

Tenho uma lista de respostas prontas, mas nenhuma delas silencia a verdade que ressoa dentro de mim: corro muito pra nada, sigo pra lugar algum, se essa corrida significa o sacrifício completo do meu tempo junto àqueles que amo. Não verei resultado, além de um amontoado de bens e minha descendência em guerra por causa deles. Melhor, nessas circunstâncias, será partir e não olhar pra trás.

Algum dia – e esse dia virá para todos nós – reivindicarei os minutos e os segundos de vida que, clamarei, me foram roubados pelo tempo! E então, aturdida, verei em 4D, no telão de minha memória, que em nada fui lesada a não ser por minhas próprias escolhas erradas. Gastei tempo onde não devia, depositei amor naquilo que com o tempo perecia.

Se hoje esbanjamos juventude, amanhã alguma ruga teimosa dirá que se aproxima a hora da partida. Mesmo que a ruga e o cabelo branco sejam rechaçados, com os milagres da indústria de cosméticos, o corpo naturalmente envelhecido mostrará que já não acompanha o ritmo acelerado do cérebro. Vimos isso em nossos avôs, relutamos em perceber em nossos pais, e algum dia sentiremos na própria pele. É fato, requer aceitação.

“Pra que pensar nessas coisas?!” Dirá alguém, indignado.  Preferimos evitar o assunto e fazer de conta que a passagem chamada morte não existe. Mas não adianta, o dia chega. Em algum momento ele nos alcança. E então, que teremos na bagagem?

Uma coleção antiga de desgostos, talvez. Mágoas já amareladas pelo tempo, possivelmente. Realizações profissionais, sucessos variados, prêmios e troféus, mas nenhum amigo para quem se gabar de tantas vitórias, nenhum descendente a quem nossas conquistas possam interessar. Ou, pior, talvez se interessem sim pela nossa conquista, pelo que adquirimos, e não por quem de fato nos tornamos ao longo da vida. Na mala, no fim das contas, restará apenas solidão.

Faz tempo que não me acompanha a necessidade de desfilar novos  modelitos no trabalho, nem me causa sofrimento a ausência de indagações como “onde você comprou?”, ou exclamações do tipo “arrasou, amiga!” Mas podem me perguntar se tenho lido e conversado muito com meus filhos; se tenho me dedicado a fazer temas escolares com eles e a prepará-los para as provas da escola e da vida; se os tenho ensinado a orar, estudar as escrituras, crer em Deus e respeitar  seu próximo. Melhor ainda, perguntem isso a eles, sei o que dirão.

O trabalho enobrece e dignifica, eu particularmente amo trabalhar. Adquirir riquezas, por meios lícitos, é justo, bom e desejável. Mas formar caráter é mais importante ainda. Gastar minhas preciosas horas oferecendo informação correta para meus filhos é privilégio, jamais tempo perdido.

Dentre tantas, educar minhas crianças numa fé cristã é minha maior prioridade. Pois tudo aqui é efêmero, findará quando menos se espera e se deseja. Exceto o conhecimento que adquiriram, esse os acompanhará nesta e na próxima vida. Quero que, no seu devido tempo, cheguem do outro lado do véu conhecendo seu Deus e seu Salvador Jesus Cristo. Não quero em meus filhos expressão de surpresa, enquanto balbuciam: Vocês existem mesmo?! Quero que saibam desde agora em quem confiar, e a quem recorrer em tempos difíceis, e a quem agradecer em tempos de dádivas!  A fé não será apenas um coringa para os momentos de desespero, e sim a rocha sobre a qual edificarão seus alicerces e sobre a qual estarão fundamentados todo o tempo.

“Tão despropositado esse assunto, em meio a festa da Copa do Mundo!” Não são assim os caminhos, interrompidos bem no meio de uma alegria? Os diagnósticos não esperam a colação de grau do filho na faculdade, os acidentes acontecem sem hora marcada. A tragédia bate a nossa porta quando menos esperamos. Preparados o suficiente, nunca estaremos, mas nada teremos a lamentar se tivermos preenchido nossa mala de lembranças com pertences de real valor. O remorso não nos ferirá com seu tiro certeiro.

Erramos ao acreditar que haverá tempo para fazer as malas e partir deste mundo. Maioria das vezes não há. Não sobra tempo para um pedido de desculpas, um adeus, um eu te amo. E então, com que nos apresentaremos diante de Deus?

Agora peço licença: tenho de preencher minha mala de viagem com outras coisas boas, além de escrever. A jornada segue, a vida continua. Aqui e além.


Suzy Rhoden

6 comentários:

  1. Noooooossa!Quantos pontos pegaste. Realmente o dia chegará pra cada um de nós.Isso é o mais certo que existe. Nunca sabemos quando será. Por isso, estar com nossa mala de realizações boas sempre prontinha e com lugar pra mais e mais uma é bom e nos ajudará na hora certa. Coisas que fizermos pela educação de nossos filhos, netos, pelo nosso bem e o dos que estão próximos de nós, caberá certamente...

    E, poderemos partir, sem a sensação de termos apenas passado por aqui! Lindo te ler! Belas reflexões! bjs,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Suzy,
    Nossa preocupação deve ser esta:
    preencher nossa mala de viagem com coisas úteis e boas.
    A vida é efêmera, e o remorso pode ser cruel...
    Vivemos em um mundo em que o ter é mais importante do que o ser,
    entretanto, é uma atitude sábia, preenchermos nossa vida com valores eternos...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Suzy!
    Moises

    ResponderExcluir
  4. Amiga, vc me deixa sem palavras sempre que venho aqui!

    Já virou clichê eu dizer que vc escreve bem! Então, direi apenas que cada vez me impressiono mais... não apenas com a escrita, mas com o ‘pensamento’ impresso, que sei, traduz tuas atitudes, teu ser, ver e sentir...

    “A fé não será apenas um coringa para os momentos de desespero, e sim a rocha sobre a qual edificarão seus alicerces e sobre a qual estarão fundamentados todo o tempo.”

    A fé é a base sólida para uma vida plena e feliz. Engana-se quem pensa que conseguirá educar e preparar os filhos para enfrentar o mundo sem ensiná-los como cultivá-la. A fé é o único elemento capaz de transformação. Através dela vemos claramente o caminho, mudamos de direção, caso necessário... Valorizamos o que realmente deve ser valorizado. A fé dá a certeza do que nos aguarda no futuro.

    Que lindo, amiga, que vc dedica tempo a transmitir isso aos seus filhos! Tua recompensa será grande, e na tua bagagem levarás o que há de melhor: a certeza de ter vivido uma vida plena de deveres cumpridos.

    Bjão.

    ResponderExcluir
  5. Suzy, dissestes tudo e com tão grande sabedoria, como sempre saio daqui enriquecida.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga

    Preciosas palavras

    Lembrou-me o mestre Dalai Lama:

    "Os homens vivem como se nunca fossem morrer,
    E morrem como se nunca tivessem vivido..."

    Há quem acredite
    que felicidade
    vem por acaso.

    Mas felicidade
    é um compromisso
    com a vida,
    com os outros,
    e com nós mesmos.

    Por isso faça e seja feliz.
    Que este seja o seu compromisso fiel.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...