domingo, 18 de agosto de 2013

Amor Não Correspondido


Só entende a dor de um amor não correspondido quem bebeu da taça da rejeição até a última gota. Não sorvi dessa taça. Antes tivesse sorvido! Pois o sabor é amargo, contudo fortalecedor: uma espécie de fortificante, de gosto duvidoso, mas de efeito visivelmente positivo para o restante da vida. Sofrer uma rejeição é lição prática de autossuficiência emocional, garante imunidade contra decepções futuras. Para quem sobrevive, naturalmente.
Como disse, não bebi dessa taça. E não me orgulho disso. Pois, para mim, sobrou aquilo que realmente mata, o veneno letal: sou aquela que rejeitou o amor gratuito e desmedido. Sou a vilã, a megera da história.
Voltemos no tempo...
Ângelo e eu nos conhecemos na faculdade. Sabe aquela amizade que cria raízes no primeiro minuto de conversa? Pois é, foi assim. A sensação era de  nos conhecermos há anos, décadas, de outros estágios de vida. Tínhamos assunto pra virar a madrugada, indo de extremos como a Literatura – minha área – à Física, conteúdo que ele dominava, sendo estudante dedicado de Engenharia.
Ângelo era, sob todos os aspectos, o homem perfeito. Perfeito demais, eu diria. Ouvia atentamente tudo que eu dizia, valorizava minhas ideias, era parceiro para atividades culturais ou esportivas, viagens inusitadas ou o que quer que desse na minha cabeça. Era alguém com quem contar em todas as circunstâncias, tive muitas provas disso.
Tornamo-nos grandes amigos primeiro, depois ele se tornou meu confidente. Esse foi nosso erro fatal. Não consigo acreditar hoje no quanto feri seu coração, sem saber que minhas confidências o despedaçavam. Mas foi exatamente assim.
Em algum momento da amizade, contei entusiasmada para Ângelo que estava namorando. Como sempre, ele me parabenizou e apoiou. Desejava o meu bem, a minha felicidade, isso era visível. Quando meu romance começou a virar história de terror, foi no ombro de Ângelo que chorei. Ele nunca reclamou, esteve sempre a minha inteira disposição. Nunca interferiu, nunca questionou minhas escolhas, sempre me respeitou integralmente.
O tempo passou, contudo, e nos separou: Ângelo, já formado,  foi trabalhar em outro estado, bem longe da nossa cidade universitária. Mas, para minha alegria, era freqüente sua presença em Santa Maria, de modo que nossa amizade não sofreu os efeitos da distância.
Numa das visitas de meu amigo, dei-lhe a notícia: fim de namoro, sem volta. Ele me ouviu calado, como geralmente fazia, e partiu. E uma semana depois retornou.
Fiquei surpresa, atravessar tantos quilômetros por duas semanas seguidas pedia um bom motivo. Ele disse que me explicaria durante passeio pelo Campus, para o qual me convidou. Cometi o erro de aceitar o convite.
Por vezes, a ignorância é nossa melhor opção. Mas a mim coube o conhecimento de um segredo aterrador: meu melhor amigo declarou-se apaixonado por mim, há tempos, há anos, vivendo em silêncio a intensidade de seu amor.
Pensei nas vezes em que chorei em seu ombro, aos tropeços com um namoro insatisfatório... Dei-lhe as chances para revelar o que sentia, mas ele, numa atitude admiravelmente altruísta, preferiu manter sigilo de seu amor a influenciar minhas escolhas. Permitiu-me tomar decisões sem interferências, não se aproveitou de minhas fragilidades momentâneas. Foi mais leal à amizade do que a si mesmo e aos seus reais sentimentos.
Não consegui dar resposta imediata, pedi o famoso tempo para pensar. Recebi esse tempo juntamente com flores, poemas, canções. Fui cercada pelas manifestações mais sinceramente românticas que já experimentei em toda minha vida, elevada à condição de musa inspiradora, princesa de conto de fadas. Fui amada.
Mas escolhi ser a bruxa malvada, aquela que oferece a maçã envenenada. Depois de tudo que ele fez por mim, retribuí seus ternos sentimentos com um ‘não’ gelado. Como poderia ser diferente?!
Como falar um ‘não’ sorrindo, com os olhos brilhantes e a respiração ofegante de felicidade?! Proferi um ‘não’ seco e direto. Redondo e taxativo. Como a pior vilã da melhor novela. E... não gostaria de confessar isso, mas a culpa me obriga a fazê-lo: tudo aconteceu no dia dos namorados.
Foi o fim de uma amizade perfeita. Foi também o meu fim, pois Ângelo sobreviveu, mas eu morri. O veneno que fiz com que ele ingerisse surtiu efeito em mim: convivo com o remorso.
Não me arrependo da decisão, era a única possível naquelas circunstâncias. Eu amava Ângelo como um irmão. Mas todos os dias discuto a relação com este meu coração estúpido: o que você quer da vida, seu inconsequente? Prefere se entregar a amores bandidos a devotar afeição a quem só te quer bem?! Masoquista!!!
E assim, estúpidos, são quase todos os corações...

Suzy Rhoden

24 comentários:

  1. Ai!
    Que história...
    Realmente os mistérios do coração devem ser mais complicados que um problema de Física daqueles bem cabeludos. Mas, são assim os corações.
    Eu sorvi da taça e sucumbi ao ouvir um "amo você como uma irmã". Sobrevivi.
    Dói, claro que dói, magoar uma amizade assim, só que além disso teu coração não ia aceitar. Eu não acredito na racionalidade dos corações!
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana!
      Deve ser por isso que tanto se escrever sobre as 'coisas' do coração: são as mais complicadas e misteriosas que podem existir nesta vida!
      Que bom que sobreviveu, assim como Ângelo. Mas, fiquei curiosa: a amizade também sobreviveu? Essa normalmente se perde pelo caminho em casos assim, não é, não?
      Beijoooo e obrigadão!

      Excluir
  2. Noossa! Que coisa! E sabe que há realmente quem faça isso., entregue-se ao amor errado, ao que na hora parecia mais fácil. Pena, depois o arrependimento! Ou não, há as /pos masoquistas! beijos,linda semana,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rsrsrs Pois é, Chica, há quem deixe o coração guiar a vida... Para mim, ele tem voz certamente, mas quem manda é a cabeça! Na verdade, os dois andando juntos, não tem erro...
      Um super beijo, e um obrigada!

      Excluir
  3. Limerique

    Apaixonada não ouviu seu coração
    E ao amor não deu devida atenção
    Sofre infeliz agora
    Só e triste chora
    Pois no momento errado disse não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jair, esta personagem - de uma narrativa em 1ª pessoa - pode de fato ter jogado um grande amor fora... Complicado saber discernir e escolher em certas épocas da vida, sobretudo na juventude! Mais tarde, olhando para trás, tudo parece mais nítido, não é mesmo?
      Agradeço o limerique! Abraço.

      Excluir

  4. Olá querida Suzy,

    Você escreve deliciosamente bem. Parece uma página de romance que se começa a ler e não se consegue parar até ver o final do capítulo.

    Com certeza não foi fácil para Ângelo amá-la silenciosamente, tendo de ouvir suas confidências a respeito de outro amor. Não a vejo como vilã, pois você não o iludiu. Ele se precipitou ao declarar-se, pois conhecia você o suficiente para saber a respeito de seus sentimentos para com ele.
    Ele arriscou e fez bem. É melhor um 'não' do que arrepender-se depois por não haver tentado. Embora doloroso para ele, o 'não' foi libertador, pois permitiu que ele seguisse sua vida.
    Não há como convencer o coração a gostar de alguém só porque este alguém parece o ideal para nós. É o coração quem decide por quem vai bater fora do compasso. Uma relação escolhida apenas por conveniência não traz tempero à vida do casal. E este tempero se chama amor, né não? - rsrs

    Belos dias para você.

    Venha quando puder. É sempre um prazer recebê-la em meu recanto.

    Beijosssssssssssssssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera, querida, posso retribuir o elogio? Eu iria usar a palavra 'devolver', mas não é isso, e sim retribuir com elogio idêntico: suas palavras chegam aveludadas para mim, claras e perfeitas, elegantemente posicionadas num contexto... fico encantada! Adoro te ler!

      Sobre o texto: adorei sua análise dos personagens! Especialmente da parte em que você menciona que o 'não' foi libertador. Tememos o 'não', mas muitas vezes ele liberta, nos deixa livres para partir rumo a felicidade!

      Belas palavras, de uma bela amiga - obrigada!

      Excluir
  5. OI SUZY!
    TU ÉS A FADA DAS LETRAS MESMO!
    CONSEGUISTE, MAIS UMA VEZ ME FAZER LER, SEM RESPIRAR(SÓ UM POUQUINHO)RSRSRSRS.
    FICO SEMPRE ME PERGUNTANDO SE É VERDADE O QUE ESCREVESTE, OU FRUTO DE TUA FÉRTIL IMAGINAÇÃO DE ESCRITORA E NUNCA CHEGO A UMA CONCLUSÃO DEFINITIVA.
    MAS, O QUE RELATAS É FÁCIL DE ACONTECER,UMA SINCERA AMIZADE DE UM LADO E DO OUTRO, UM AMOR ALÉM DE TUDO COM O ALTRUÍSMO DE SER O CONFIDENTE, DAR CONSELHOS E AGASALHAR NA HORA DAS LÁGRIMAS. É AMIGA, TIVESTE UM ASSIM EM TUAS MÃOS E O DEIXASTE IR, MAS QUEM SABE... ACREDITO EM DESTINO, O QUE TIVER DE SER, SERÁ...
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilani, subi lá no céu e voltei com seu elogio!!! rsrsrs Fada das letras, nossa, que honra ouvir isso de ti, minha poetisa do coração!!!
      Sobre essa 'pulguinha atrás da orelha', isso é que é o delicioso da escrita: deixar uma incerteza no ar, um quem sabe, um ponto de interrogação entre a realidade e a ficção. Pois, acredito, é nesse exato momento que acontece a verdadeira interação com o leitor, já que ele tira suas próprias conclusões e 'age' no texto, decidindo-o. Adoro isso, sabia? Escrever sobre verdades que podem ser minhas ou de qualquer um... perceber a identificação dos leitores. Em suma, escrever é uma delícia! E com incentivos como o seu, não vou parar tão cedo! rsrsrs

      Beijos, minha querida!

      Excluir
  6. Suzy querida: texto lindo, sem dúvida; de cara, na vista, você queria um amigo, e Ângelo queria um amor. Dá certo isso? Muito duvidoso. Por certo ele foi seu confidente, o amor faz essas coisas, é grande, é sublime. Mas seria uma união arriscada, as pessoas se unem - ou deveria assim ser - por amor, e não por gratidão, por amizade ou outra coisa. Portanto eu não sentiria remorso, culpa, pena... Acabou porque muitas coisas que começam equivocadas, acabam em tragédias, ou simplesmente em profunda tristeza ou em depressão.
    Mas quantos casos desses existiram, existem e outros já não são mais nada – até viraram outro sentimento. Essa é a lástima.
    Agora... outra coisa: você está se superando, heim amiga!!
    Adorei essa história.
    Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais, brigadinha pela visita!
      E não é que casos como este são muito comuns?! Grandes amizades frequentemente acabam nesse desastre: um vira irmão, o outro vira paixão. Contrariando os rumos do texto, também, particularmente, penso que não cabe o remorso nessas circunstâncias.
      Beijoca pra você, grata pelo lindo comentário!

      Excluir
  7. OI SUZY!
    FIQUEI TODA BOBA COM TUA GENTILEZA LÁ NO "SÓ PRA DIZER", RSRSRSR
    GOSTO MUITO QUANDO APARECES.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Trocando em miúdos, como diziam os antigos, amores não correspondidos são um apelo da razão ao coração, dizendo: deixa comigo

    Meu carinho por vc tão docemente correspondido :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadim, querida Tina!!! Encerrou tudo em poucas palavras, mas com muitas clareza. Beijoca pra ti, minha linda!

      Excluir
  9. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá António!
      Que bom receber sua visita e seus elogios! Muito bem-vindo, será um prazer tê-lo como amigo!
      Retribuo os bons votos, desejando paz e saúde a ti também e aos seus.
      Um abraço!
      P.s.: aguarde em breve minha visita, se possível ainda hoje ;)

      Excluir
  10. Suzy, nota mil. Estou encantado com a escrita aqui e também com a história. Nunca bebi, também, dessa taça. Mas entornei ela em alguém, da mesma forma. Sem saber, confiava meus problemas do coração a uma pessoa que nunca me contou (e nunca mesmo) sobre seus sentimentos por mim. Fiquei sabendo pela boca de outra. Claro que averiguei. E era verdade. Mas tanto tempo havia passado, que já não sentia mais. Ou se sentia, não disse. Estava com outro e parecia feliz. Não me senti tão mal, mas refleti no quanto pode a vida mudar de acordo com suas escolhas. Para mim, para você e para outras milhões de pessoas que passaram pelo mesmo. O coração e seus mistérios...

    Um abração de um fã!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido você! Agradeço o carinho e o elogio a história e a escrita.
      Então você entende desse assunto e, assim como eu, está no lado do vilão? Pois é, você teve sorte de não ser colocado contra a parede por alguém tão querido e sinceramente amado, viu! Pois o que menos se quer nesta vida é magoar quem tanto gosta da gente, e isso infelizmente às vezes se torna inevitável... O coração e seus mistérios, é isso mesmo!

      Um super abraço! E estamos entre fãs, sabe né... rsrsrs

      Excluir
  11. Increvel.
    parece que você estava falando de mim.eu sou o Ângelo na vida de uma garota.
    confesso que chorei ao ler isso!
    Parabens..muito lindo!!!

    ResponderExcluir
  12. Gente que história linda está de parabéns!!! pode dar uma olhada no meu blog!!! http://sentimentosdeumapaixonadoteamo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Galera estou aqui para desabafar com vocs de forma que já passei por isso, não tem jeito, quando um não quer dois não brigam, se a pessoa amada não te dá mais atenção só resta superar, se valorizem vcs são mais que tudo isso, depois de um tempo ela ou ele vai perceber que quem perdeu não doi vc, ai vc esperam ela vir atrás, para dizer o que ela te diz hj, sejam duros, nD DE RECAIDAS, amei muito uma menina me declarei e ela se quer respondeu fiquei muito triste passei 3 anos amando e ela so pisando, agora perdeu espero que ela seja feliz ainda gosto dela desejo o melhor que realize seus sonhos e encontre uma pessoa que a ame e lhe der seu devido valor, que eu não dei.... mas com um tempo demonstrei ama-la de uma forma incomum com todas as forças do meu coração... quase entro em depressão por causa dela... agora quero mudar de vida realmente sem olhar pra trás... vou colocar aparelho malhar arrumar uma namorada e trabalhar ser felz fazer o bem ajudar as pessoas e ter fé que em DEUS tudo pode... te amo Deus me proteja de tudo como o senhor sempre faz te amo....

    ResponderExcluir
  14. Galera estou aqui para desabafar com vocs de forma que já passei por isso, não tem jeito, quando um não quer dois não brigam, se a pessoa amada não te dá mais atenção só resta superar, se valorizem vcs são mais que tudo isso, depois de um tempo ela ou ele vai perceber que quem perdeu não doi vc, ai vc esperam ela vir atrás, para dizer o que ela te diz hj, sejam duros, nD DE RECAIDAS, amei muito uma menina me declarei e ela se quer respondeu fiquei muito triste passei 3 anos amando e ela so pisando, agora perdeu espero que ela seja feliz ainda gosto dela desejo o melhor que realize seus sonhos e encontre uma pessoa que a ame e lhe der seu devido valor, que eu não dei.... mas com um tempo demonstrei ama-la de uma forma incomum com todas as forças do meu coração... quase entro em depressão por causa dela... agora quero mudar de vida realmente sem olhar pra trás... vou colocar aparelho malhar arrumar uma namorada e trabalhar ser felz fazer o bem ajudar as pessoas e ter fé que em DEUS tudo pode... te amo Deus me proteja de tudo como o senhor sempre faz te amo....

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...